terça-feira, 31 de agosto de 2010

Uma receita Húngara! Magyarország recept

Hoje tenho que contar uma breve história para vocês entenderem a receita abaixo.


Eu cresci achando que só mãe tinha família e que pai não tinha parente nenhum. Mas as poucos fui percebendo que minhas amigas tinham parentes por parte de pai, como avó, avô, tios e primos. Até que fui entender porque meu pai não tinha parente nenhum.

Em 1949 depois do fim da guerra, começou a Guerra Fria, os russos comunistas invadiram a Hungria e meu avô trabalhava em uma Indústria Petroquímica Americana capitalista, deixando de lado todas as questões políticas, emocionais e traumáticas que só quem passou por uma guerra sabe dizer, a conclusão é que meus avós tiveram que fugir de repente da Hungria deixando seus passados para trás.

Meus avós nunca comentaram nada do que ficou na Hungria com meu pai, mesmo porque todo o tempo que viveram no Brasil a Hungria ainda era comunista e as coisas ainda eram difíceis. E morreram sem ver seu país saindo do comunismo e se tornando livre. Eu nasci em 1982 e eles já tinham falecido, por isso nunca os conheci.

E o tempo passou eu cresci e estava no colegial em 1999, lembro até hoje o dia que que aprendi sobre a União Européia, os países que já faziam parte e os que iriam fazer parte, a Hungria eram um desses países e entraria na UE em 2004. E como o tempo passa rápido 2004 chegou e eu e meus irmãos empolgados com a idéia de sermos cidadãos europeus conseguimos convencer meu pai e dar entrada no consulado húngaro solicitando sua cidadania.

Foi aí que meu pai resolveu abrir a famosa pasta rosa, por fora uma simples pasta de elástico que guardava alguns documentos que sua mãe tinha guardado da Hungria. Mas por dentro e quando aberta essa pasta significou muito mais, foi como embarcar numa viagem mágica que despertou muitos sentimentos e trouxe muitas lembranças e surpresas para nós e principalmente para o meu pai.

O ponto alto da viagem que esta pasta nos levou foi em fevereiro de 2008, quando por meio de contatos feitos na internet em sites especializados em "ajudar os perdidos na guerra" meu pai entrou em contato com uma prima distante, que ligou para uma prima de primeiro grau que ligou para a meia irmã do meu pai, sim ele tem uma meia irmã e um meio irmão também! E assim, com 60 anos de idade meu pai descobriu que tinha uma família e eu com 27 aprendi que pai também tem parente.

Há um ano atrás eu, minha irmã fomos para Hungria conhecer nossa família, foi tudo muito divertido e uma surpresa super agradável, são calorosos, adoram festas e principalmente comer! Quando criei o blog para ter uma desculpa para sempre cozinhar, sempre pensei em fazer uma semana especial húngara, com doces e pratos típicos, mas ainda não fiz muita coisa tradicional da Hungria.

Porém, há um mês atrás pedi algumas receitas para uma tia que mora em Tahi, Hungria, um tio húngaro que mora na Australia e para a minha tia, meia irmã do meu pai. E há algumas semanas recebi um e-mail com a receita de Kati, a tia de Tahi. Eu achei que ela mandaria uma receita escrita no e-mail, imagina a minha suspresa ao abrir o e-mail e ver um ppt com fotos do passo a passo da receita, assim como faço no site. Quase comecei a chorar! Espero que gostem, achei super diferente e bem simples de fazer.

O nome do prato é Csirkés Kuglf

Tradução: cubra uma forma de furo no meio com papel manteiga.


Tradução: coloque em volta pedaços de frango salgados e temperados com pimenta.


Tradução: depois coloque ovos inteiros, fatias de queijo, salame e cebolinha.


Tradução: cubra com o bacon.


Tradução: coloque novamente o que sobrou dos ingredientes.


Tradução: leve para assar por 1hora e meia no forno a 250°C
 
Depois é só desenformar.
 
Fatiar..
 
Fazer uma salada para acompanhar..
 
E bom apetite!

4 comentários:

  1. Demorei pra ver este post.. mas li e fiquei emocionada. Ainda mais por ter acabado de voltar de lá.. lembrei muito de vc e de toda a história e adoreeeei a comida de lá! Bjos

    ResponderExcluir
  2. Muitolegal a história!! Emocionante e o prato parece ser delicioso!
    Vou testar um dia e te conto!
    Beijinhos**

    http://turminhadagabi.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Que legal, Bia. deve ser delicioso! Vou fazer. Mas me diga uma coisa: vc conhece uma receita de nhoque de batata recheado com ameixa amarela e açucar e canela? É que minha mãe aprendeu a fazer quando era moça com uma cozinheira hungara e nós amamos esta receita. Se vc souber o nome, mande para mim, por favor. tenho muita curiosidade de saber. Outra coisa: vc poderia me dizer as quantidades desta receita de frango? Fiquei louca para experimentar!!! Obrigada e abraços...

    ResponderExcluir
  4. Sua história é muito parecida com a minha, meus bisavos vieram na epoca da guerra com minha avó ainda pequena, tive o prazer de aprender algumas receitas com ela, hj ela não esta mais entre nós mais a forma de matar a saudade é cozinhando ... vou testar essa receita

    Ana Lucia Barna
    e-mail: analucia.barna@gmail.com

    ResponderExcluir